Está proibido protestar!

Geral

De forma consciente agentes da PMERJ agridem e danificam equipamentos de jornalistas e midiativistas em protesto pacífico

Texto e fotos: Tati Alvarenga

Polícia que reprime na avenida é a mesma que mata na favela. de acordo com testemunhas a faixa foi rasgada por PM's
Polícia que reprime na avenida é a mesma que mata na favela. de acordo com testemunhas a faixa foi rasgada por PM’s

É perigoso ser livre! Esta frase têm um forte significado, principalmente se analisada junto ao direito de livre manifestação. Dia 13 de julho final da Copa do Mundo com jogo decisivo entre Alemanha e Argentina no estádio Jornalista Mario Filho  popularmente conhecido como Maracanã, foi realizado na Praça Saens Pena que fica próximaao local, as manifestações: A festa nos estádios não vale as lágrimas nas favelas, A nossa Copa é na Rua e FiFa Go Home! Não vai ter final! O intuito dos protestos foi pelo fim da violência policial, memória de 1 ano da morte do pedreiro Amarildo Dias de Souza levado por PM’s da UPP da Rocinha em 14/07/13, repúdio aos gastos do dinheiro público com os “mega” eventos e  pela liberdade dos presos políticos  detidos sábado dia 12 sob acusação de formação de quadrilha, (jornalistas populares e a mídia alternativa foi proibida de entrar na coletiva de imprensa realizada sábado na Cidade da Polícia, por que será?).

Manifestantes escrevam na faixa o que desejam ver nas ruas

Cerca de 400 pessoas acompanharam a manifestação que teve inicio as 10:00 da manhã com concentração unificada as 13:00 na Praça Saens Pena. O evento contou com intervenções artísticas, falas de impacto, muito música e irreverência. Por volta das 14:30 os manifestantes saíram da praça para Rua: Conde de Bonfim, e imediatamente a tropa de Choque não permitiu a primeiro opção de  trajeto dos manifestantes. Fechando o cerco e fazendo com que os ativistas usassem uma rota de improviso. Após alguns minutos do ato iniciado e já na rua, o burburinho foi inevitável. Afinal  quem determina a rota do protesto o povo ou a polícia? Era o questionamento feito por alguns ativistas que seguiam na linha de frente. Até que o coletivo decidiu retornar para  o trajeto Conde de Bonfim sentido Alzirão. Pronto! Começou um covarde ataque dos agentes da  PM para com os manifestantes. Não houve nenhum tipo de depredação de banco, ponto de ônibus ou ato de violência por parte dos manifestantes conforme noticiou a assessoria da Polícia Militar.

Em consequência muitos jornalistas, fotógrafos e midiativistas foram feridos por estilhaços de bombas, cassetadas, e tiveram seus equipamentos de trabalho danificados. Cerca de 7 pessoas foram detidas por desobediência e desacato a autoridade, mas todas foram liberadas.  A polícia conseguiu mais uma vez dispersar um protesto após seu começo, esta tática opressiva vem sendo utilizada frequentemente após o inicio da Copa do Mundo. Este vídeo gravado pela nossa equipe deixa claro que para  PMERJ manifestação não é um direito. Pois as pessoas que  queriam “sair” da praça a PMERJ não deixava. Polícia coibindo direito de ir e vir do cidadão carioca.Confira a lista divulgada na página do Sidjor –Rio, dentre dos feridos estava uma comunicadora do jornal O Cidadão, que desde ontem já esta bem:

“Jornalistas e comunicadores agredidos:

Samuel Tosta – diretor do Sindjor-Rio – freelancer – ferido nas costas por estilhaços de bomba

Gizele Martins – diretora do Sindjor-Rio – editora do jornal Cidadão – crise de asma por inalação de gás lacrimogêneo

Mauro Pimentel – repórter fotográfico do Terra – chutado e golpeado no rosto e nas pernas com cassetete, teve a lente da câmera quebrada e a máscara de gás quebradas

Ana Carolina Fernandes – repórter fotográfica da Agência Reuters – teve a máscara de gás arrancada por um PM que a atacou com spray de gás de pimenta

Boris Mercado – repórter fotográfico peruano – chegou a ser detido e agredido

Jason O’Hara – repórter cinematográfico canadense – internado no Hospital Municipal Souza Agui

ar em decorrência dos ferimentos

Oswaldo Ribeiro Filho – jornalista da agência inglesa Demotix – teve uma bomba de gás jogada em seu rosto

Filipe Peçanha – comunicador da Mídia Ninja – vítima de espancamento por oito PMs e a lente da câmera quebrada.

Leo Correa – repórter fotográfico freelancer – vítima de agressões físicas por PMs.

Tiago Ramos – jornalista do SBT Rio – ferido por estilhaços de bomba em um dos braços.

Luigi Spera – Jornalista italiano – vítima de agressões físicas por PMs.

Aloyana Lemos – documentarista – detida com violência por PMs e levada para a 21ª DP (Bonsucesso)

Bernardo Guerreiro – comunicador da Mídia Ninja – teve sua lente quebrada e foi agredido com spray de pimenta no olho a curta distância

Augusto Lima – jornalista do Coletivo Carranca – teve o celular quebrado quando foi agredido a golpes de cassetete.

Loldano da Silva – repórter fotográfico – agredido com dois golpes de cassetete no braço esquerdo, levado para o Souza Aguiar.”

 

Momento em que policiais conversam na Praça Saens Pena ao lado escrito por onde corro?
Momento em que policiais conversam na Praça Saens Pena ao lado escrito: Pra onde corro?

Todo este episódio demonstra a necessidade de mantermos a nossa luta em prol de uma democracia real. Pois o que estamos vivendo é um nítido estado de exceção, no qual quem se mostra contra a opressão do governo apanha, é preso sob acusações ridículas como portar em sua residência máscaras protetoras de produtos tóxicos e têm seu direito de ir e vir cerceados pela polícia na rua em pleno ato pacífico.  Basta! Nós comunicadores populares, jornalistas, midiativistas, midialivristas, fotógrafos  não podemos tolerar calados tamanho absurdo. Avante! Pois a luta é em prol de condições de vida dignas para todos nós e para isso é preciso união, diálogo e muita persistência. A luta continua companheiros!

Segue uma sequência de vídeos, fotos e reportagens sobre as agressões e violações dos direitos humanos protagonizados pela PMERJ neste domingo.

Leitura do manifesto: https://www.youtube.com/watch?v=u8gI2yAo46I&feature=youtu.be

Manifestantes se refugiam da violência policial em lanchonete: https://www.youtube.com/watch?v=wIeGIe_5Ze0&feature=youtu.be

Teatro do oprimido: https://www.youtube.com/watch?v=0HerMp15nxE&feature=youtu.be

Fotos registradas por nossa equipe: https://drive.google.com/folderview?id=0B7FRu-K-Oj-vQ2k4MW1haVpZZEU&usp=sharing

Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro emitiu nota de repúdio contra violência policial: http://jornalistas.org.br/index.php/nota-de-repudio-a-violencia-policial-que-feriu-15-jornalistas-e-comunicadores-neste-domingo-1307/

Coletivo Carranca: http://coletivocarranca.cc/pm-ataca-passageiros-metro/

A Nova Democracia: https://www.youtube.com/watch?v=yEZuxtQGNDQ&feature=youtu.be

BBC: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/07/140713_wc2014_protesto_feridos_lk_lgb.shtml

Comentários

Deixe uma resposta