Rio+Social promove desafio de passinho para estudantes do Morro dos Macacos

Geral

A final do ‘Vem Ni Mim Que Sou Passinho’ será realizada no dia 13 de junho e tem parceria da Vila Olímpica Artur da Távola e Secretaria Municipal de Educação

O desafio ‘Vem Ni Mim Que Sou Passinho’ está agitando os moradores do Morro dos Macacos. Promovido pelo Rio+Social e a Vila Olímpica Artur da Távola, uma parceria com as secretarias municipais de Educação e de Esportes e Lazer, o evento terá a única classificatória aberta à população no dia 12 de junho, às 18h, na Vila Olímpica. Não há pré-requisitos para a inscrição, que será realizada na hora do desafio. Os estudantes do Ciep Salvador Allende e das escolas municipais Mario de Andrade, Assis Chateaubriand, Argentina, Equador e Noel Rosa já estão participando de eliminatórias. A grande final será no dia 13 de junho, às 10 horas, na Vila Olímpica Artur da Távola, com entrada gratuita.

Com origem nas favelas, o passinho é uma dança de estilo livre, associada ao funk carioca, em que os praticantes mostram sua criatividade e habilidade misturando acrobacias, marcação de ritmo com os pés e flexibilidade com várias partes do corpo. No desafio, os jovens tentam superar os adversários inventando passos novos e mais ousados.

‘Vem Ni Mim Que Sou Passinho’ tem como objetivo estimular a dança entre a garotada e envolver o ambiente escolar com a temática, proporcionando diversão e aprendizagem. Os professores trabalharam com o tema Funk em atividades multidisciplinares durante as aulas.

Os selecionados para a decisão serão divididos em três categorias: Style (de 6 a 11 anos), Elite (de 12 a 14 anos) e Embrasados (de 15 anos em diante).

O Rio+Social e a Vila Olímpica Artur da Távola foram os responsáveis pela criação e execução do evento. O coordenador do Rio+Social, Pedro Veiga, explica que não é preciso muito para proporcionar experiências marcantes:

“O passinho é algo criado e praticado por jovens moradores das favelas cariocas desde 2008. O diferencial desta ação é a conexão entre os estudantes, as unidades escolares participantes e a Vila Olímpica, unindo diferentes núcleos da cultura juvenil, da família e da favela”.

Pedro Veiga destacou também a importância da parceria entre as secretarias municipais de Educação e de Esportes e Lazer:

“A cooperação mostra que os diálogos entre as diferentes esferas ocorre e traz resultados, como o protagonismo e o empoderamento juvenil, o fortalecimento de rede entre as escolas, a troca de saberes entre estudantes e professores. Tudo isso possibilita a apropriação e a aproximação dos moradores dos equipamentos públicos, tornando o ambiente de aprendizado ainda mais interessante e dinâmico”.

A diretora da Escola Municipal Assis Chateaubriand, Fernanda Alves, explica como a temática funk é usada nas salas de aulas.

“É possível trabalhar através das letras das músicas, por exemplo. Quando apresentei a ideia do evento, as reações foram distintas: os profissionais ficaram receosos e os estudantes ansiosos. Mas as atividades estão sendo prazerosas. Os professores e alunos se sentem integrados e parte da escola”, explica a diretora.

O ‘Vem Ni Mim que Sou Passinho’ vai premiar os primeiros colocados com troféus e os demais com medalhas. Todos os participantes ganharão certificado de participação.

No comando musical, estará o Mc Cebolinha e o público poderá acompanhar a apresentação do grupo Os Imperadores da Dança, que é um dos precursores do passinho. O júri vai ser composto por Marcelly Knowles, Leandra Perfects e Igor Imperador. Todos com vivência no mundo do funk. Marcelly também é moradora do Morro dos Macacos e ressalta que o passinho se tornou parte de uma cultura criativa sem ser vulgar ou violenta.

“O estilo envolve diversas danças brasileiras, como o frevo. Com esse concurso, podemos mostrar aos jovens que a dança pode ser uma forma de lazer e até uma profissão”.

O gestor local do Rio+Social no Morro dos Macacos, Hugo de Oliveira, fala sobre a importância do ‘Vem Ni Mim Que Sou Passinho’ na vida dos jovens:

“Eu acredito neste evento como um marco na vida destes estudantes, porque participar de algo que tenha forte relação com sua vivência (Funk) é extremamente estimulante. O conteúdo proposto nas aulas, atrelado à arte, às atividades físicas e ao lugar onde eles moram, provoca interesse espontâneo. E quem não gosta de boas lembranças?”.

Sobre o Rio+Social

Originado a partir do programa UPP Social – iniciativa da Prefeitura para promover o desenvolvimento social, econômico e urbano das favelas pacificadas – o Rio+Social é o programa que consolida todas as ações municipais nas favelas pacificadas e possibilita sua ampliação para outros territórios vulneráveis da cidade.

O projeto faz parte da plataforma de integração urbana do Plano Estratégico 2013-2016 da Prefeitura.  O trabalho do município nessas comunidades visa à ampliação e melhoria de serviços, implantação e aprimoramento da infraestrutura e avanços sociais. O programa tem indicadores de desempenho definidos e faz o monitoramento dos investimentos municipais nas áreas com UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora), que beneficiam diretamente uma população de aproximadamente 711 mil moradores.

Entre 2009 e dezembro de 2014 foram investidos R$ 1,8 bilhão pela Prefeitura em áreas pacificadas. Pelo planejamento, mais recursos ainda serão investidos até 2016 para construção de escolas e Espaços de Desenvolvimento Infantil (EDIs), Clínicas da Família e em obras de urbanização e infraestrutura. 

O pacote faz parte do que o prefeito Eduardo Paes instituiu como serviços prioritários nestas regiões, que são: Educação, Saúde e Urbanização.

Serviço:

‘Vem Ni Mim que Sou Passinho’

Eliminatória aberta: 12 de junho, às 18h
Final:13 de junho, às 10h
Endereço: Rua Visconde de Santa Isabel, s/nº – Vila Isabel (antigo Jardim Zoológico)

Comentários

Deixe uma resposta